terça-feira, 24 de novembro de 2009

FLORIPA É TUDO DE BOM! (tirando o transito, hehe)

IMAGINA O PRIVILÉGIO

DE TER UM CARTÃO POSTAL DESTES A MINUTOS DA TUA CASA!!!

PQ FLORIPA É TUDO DE BOM!!!!

AMO MTO TUDO ISSO!!!!









RESPEITO AO BICHO-BICHO - ELES MERECEM!

FRASES PERFEITAS!!!

"O meu coração nao bate. Ele late"

"Porque cachorro é a melhor coisa do mundo!"

"Quanto mais conheço os homens, mais amo meu cão"

"Eu dei minha beleza e minha juventude aos homens. Agora dedico minha sabedoria e minha experiência aos animais." Brigitte Bardot

"Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal, ninguém precisará a ensiná-lo a amar o seu semelhante." Albert Schweitzer. Nobel da paz - 1952.

"Cães e gatos não são eternos em nossa vida, mas eles fazem nossas vidas eternas!"

"Se você apanha um cachorro faminto e o alimenta, ele não o morderá; esta é a principal diferença entre um cachorro e um homem." Mark Twain

"A maior diferença entre um cão e um ser humano é que se pegarmos um cão pobre e o transformarmos em um cão próspero, ele não nos morderá." Mark Twain

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

ESTE É O MESS

Este é o Mess
Nasceu numa aula de artes para as crianças do bairro Saco Grande em Floripa.
Um projeto do Coral Vivace.
O Mess é um cachorro de massa. E mesmo assim já tem todos os privilégios que o seu cãozinho deve ter.


O Mess é um guaipeca. Ele ama ser um vira-lata. Vira-lata é tudo de bom!



O Mess recebe ração de qualidade e água fresca todo dia.



O Mess tem a pelagem bonita, é forte e saudável.





O Mess é saudável, porque ele é vacinado todos os anos.





O Mess já tem um chip implantado nele. Esta é a identificação dele. E vai evitar que ele se perca ou seja abandonado pelo dono.



O Mess visita regularmente o veterinário, que faz a prevenção das doenças.



Mess não vive amarrado. Ele é livre. Ele corre, se diverte, pula e brinca a vontade.



Mess ama os seus donos, porque eles são carinhosos com ele.





Mess quer que todos os cães sejam felizes como ele.

FAÇA O SEU CACHORRO FELIZ COMO O MESS!!!!!!!

domingo, 22 de novembro de 2009

EU E MAMÃE...

fuçando no photoshop a gente consegue de tudo, neh...
Olha só que legal ficou esta foto!


sexta-feira, 20 de novembro de 2009

BEM-HUMORANDO O MAU-HUMOR

Bem-humorando o mau-humor

Sabe aquele dia em que você não quer papo? Que acorda com o pé esquerdo? Que parece que tudo dá errado? Pois é. Quem nunca teve um deste? Se não teve me ensine o segredo. O quê? Você não teve?! Ah, não me venha com esta, com meras demagogias, dizendo: “Ah, eu sou feliz, sempre estou bem-humorado, nunca fico chateado nem emburrado”... Por favor! Nem só de emoções positivas vive o ser humano. Ficar emburrado, de tromba faz parte! Não se vive sempre num mar de rosas. Nem tudo é perfeito. Ainda mais neste nosso mundo. Onde parece que cada vez mais nada é perfeito. Esta sim é a realidade.

Que estranho, não é? Por que as pessoas sempre querem que estejamos super felizes e alegres? Elas não sabem os problemas e dificuldades pelos quais passamos. Não entendem, e nem sequer imaginam os conflitos familiares, as noites mal dormidas, as lutas interiores que travamos contra nosso próprio eu. Não! Não sabem. Mas isto é facilmente explicável. Muitas destas pessoas buscam em nós aquilo que elas não têm ou não recebem. Buscam completar o que ainda lhes falta, preencher o seu vazio.

Não estou falando de ser mal educado ou estúpido. Estou falando de ser respeitado pelos diversos sentimentos que se possa ter, mesmo quando eles não são assim, tão agradáveis. De poder sentir o que se sente. De ser livre para sentir, e liberar, e extravazar, e se libertar do que te atormenta, te fere, te machuca e que faz doer.

Pareço louco ou depressivo escrevendo a respeito do mau-humor. Mas prefiro me expressar e colocar para fora o que penso, do que fazer o que muitos fazem: Internalizam. Tomam para si. Sofrem sozinhos. Se auto-destroem. E aí, sim. Agem com estupidez, diminuindo os outros, ofendendo sem escrúpulos. Sem saber que neste momento que mais sofre, na realidade, é ele próprio. Sim, o próprio.

Mas que coisa! Tem dias que a gente não está afim de sorrir e apertar a mão de todos, e dar beijinhos e abraços. Sei lá. Acontece. Desculpe-me se te ofendi por estar assim e se sentir assim. Mas isto já te aconteceu. Ah, isso eu garanto! Então, respeite. Deixe estar. Isso passa.
O real problema é o mau-humor crônico. Tenho medo deste daí. Às vezes parece uma tendência. Que interessante, não? Por que não temos tendências para coisas boas? Bem, no momento nossa tendência é para o mal. Mas isto mudará... É um outro grande assunto. Mas, deixe para depois e vamos retornar. Quando você não busca corrigir o que te aflige, e não quer deixar maus-hábitos de vida, quando não tem vontade de mudar e não quer se consertar. Aí é difícil. O ser humano só pode ser consertado se ele quiser ser consertado. Papo de psicólogo. Mas é bem por aí mesmo. Ninguém pode mudar o que não quer. Não existe mudança a força. É algo intrínseco. É teu, e pronto. De ninguém mais.

Lindo falar sobre mudanças! Difícil é fazer. É agir. Difícil é mudar. Mas não custa nada tentar, nem que isto te gere um tremendo mau-humor (risadas).

É nesta hora que voltamos a mente para tudo mais ao redor, sobre o que nossa mente desfocada não percebe, e que está todo dia ao nosso redor. Lembrei-me de um caso.

Estes dias assisti uma reportagem de TV, sobre um catador de papel. Acorda todo dia cedo, corre pela cidade toda, tem os braços e as pernas “saradas”. Saradas até de mais. Braços e pernas fortes que a luta pela sobrevivência lhe proporciona. Este sim, teria motivos de mau-humor. Não tem lugar para morar. Passa suas noites em marquises de lojas. Passa seus dias correndo pelas ruas, buscando o pão-de-cada-dia, a cada quilo de papel capturado, alguns centavos a mais na conta do final do dia, e prá que consiga uma refeiçãozinha básica precisa de alguns consideráveis quilos. Isto sim seriam motivos para mau-humor. Chega ao final do dia exausto e fedido. Não tem onde tomar banho. Talvez um chafariz de algum monumento por aí, ou mesmo um ribeirãozinho qualquer poluído, qualquer coisa que tire a craca acumulada no dia... ou não.... Nenhum banho... E o fedor se acumulando. Ah, isto seria o motivo para mau humor. O motivo. Mas não! Não! Ele estava todo contente, sorrindo, cantando. E sabe o que ele faz com o dinheiro (leia-se dinheirozinho) que recebe ao final do dia? Tá pensando que ele pensa nele? Não! Ele pensa em seus cachorros que o acompanham nas suas correrias. Amigos fiéis. Bem, não vou falar a este respeito, porque sou suspeito (risadas). Mas é isto. Ele compra ração para seus companheiros. E depois o que sobrar ele compra talvez um pão ou um leite. O que der.

E você fica mal-humorado, não é? Ainda tem coragem? Vai de carro para o trabalho, no seu ar condicionado. Chega todos os dias na tua casa, toma teu banho quente, com temperatura regulável. Recebe teu salário todo o final de mês, pouco ou muito, mas recebe. E acha que você é o mau-humorado?

Engraçado. Apesar de todo mau-humor, já estou até falando a respeito de “risadas”. Viu só! Nem percebi! Acho que esta retórica de tendência para o mal não é tão verdade assim! É como eu disse, são momentos. Eles vêm e vão. Tentando melhorar eles serão menos freqüentes, mas sempre voltarão. Que bom que passarão e não ficarão. Mas para isto, tem que querer. Evitando o mau-humor crônico que o perigoso e se ajustando ao mau-humor ocasional. Este até faz bem. Porque te mostra que ficar feliz e se sentir feliz é muito bom. E que estes momentos devem ser aproveitados com ênfase, porque são poucos, porém intensos.

Ler tudo isto deve ter te dado um tremendo mau-humor. Então olhe-se no espelho, pense e reflita em quem e o que você é. No que pretende ser e no que será. Nos seus planos e sonhos. Olhe ao redor, pense em todos que te rodeam, o que significam para você. Não vale a pena! Pode acontecer. Mas não vale perdurar. Temos muito mais do que imaginamos. E muitas vezes, nem paramos para perceber.

E antes que eu também fique mau-humorado por não ter mais o que dizer. Vou seguindo a vida, buscando bem-humorar o mau-humor que às vezes sinto. Indiferente do que pensem ou do que falem. Importa o que sou e o que estou querendo ser. E disto. Só eu sei.

Jamil Júnior

Florianópolis, 20 de Novembro de 2009.

CRIANÇAS RECEBEM AULA DE BEM-ESTAR ANIMAL, NO TRATO COM CÃES E GATOS.

Crianças de uma escola, na Costeira, em Florianópolis, receberam aulas de como cuidar de seu cão e gato. Foi uma aula diferente onde as crianças trouxeram seus pets. Foi uma idéia da Diretoria do Bem-estar Animal, em conjunto com a Administração da Escola e Agente Comunitária do Bairro. Eu tive a oportunidade de participar ensinando às crianças noções básicas de cuidados com seus animaizinhos de estimação. Tive a ajuda importante do Sr. da Silva. Realmente foi muito importante para as crianças e para Florianópolis, que em seu futuro terá cidadãos mais críticos e conscientes sobre os cuidados com os animais.

A Reportagem foi gravada pela RBS - Transmissora da Rede Globo em Santa Catarina e foi apresentada por Mário Mota e equipe.

O link é o seguinte:

http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=86572&channel=47

http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=86568&channel=47

OS VIDEOS SÃO OS SEGUINTES:



quarta-feira, 18 de novembro de 2009

JORNAL NOTÍCIAS DO DIA - NA CAPA

NA CAPA DO JORNAL - 28 DE OUTUBRO DE 2009


ANIMAIS DE FLORIANÓPOLIS VÃO RECEBER MICROCHIPS COMO FORMA DE IDENTIFICAÇÃO ELETRÔNICA.



terça-feira, 17 de novembro de 2009

CORAL VIVACE - IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA - CENTRAL DE FLORIANÓPOLIS

Apresentação do Coral Vivace no Shopping Itaguaçu, em comemoração ao natal.
Dia 13/11/2009
São José - SC


domingo, 8 de novembro de 2009

CHIPS SERÃO IMPLANTADOS EM ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS

video

NOTÍCIA DA RBS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE MICROCHIPS EM ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS

video

PESSOAS E CAMINHOS

Tentando coordenar as palavras...

Parece que palavras me escapam, porém sem ordem nem razão.

Um amontoado de idéias, pensamentos e expectativas. Todas giram dentro de minha mente, num emaranhado sem começo nem fim, e numa velocidade indescritível. Mas acho que consigo dar um título ao que pretendo escrever. Chamarei assim:

PESSOAS E CAMINHOS

Interessante como são as pessoas. Interessante nossa imensa capacidade de montar expectativas baseadas em meras suposições. Interessante como trabalha a nossa mente. Ela projeta características em outros que, na verdade, eu é quem preciso. Tenta montar um molde de uma pessoa ideal. Baseado talvez em experiências já vividas ou na tentativa da mente de corrigir situações frustrantes e desgostosas do passado.

E também são dignos de nota os caminhos pelos quais nos leva esta vida. Vida louca, passageira, efêmera, onde encontramos pessoas nas mais diversas situações e nos locais mais inesperados. Mas se procuramos não encontramos! O segredo é simplesmente viver, deixar-se levar pelas circunstâncias e deste modo seres especiais aparecerão em nossa vida.

Não. Não há como viver sozinho. A solidão destrói o homem. Pode levá-lo a total loucura, a um devaneio descabido. Precisamos de pessoas, amigos, amores, paixões, casos, vidas, seres... viventes que nos deem atenção, que retribuam o carinho, que nos façam sentir úteis nesta vida.

Muitas vezes pensamos que podemos moldar as pessoas. Como se elas fossem bonecos de barro, ou massas moldáveis de gesso, as quais pudéssemos esticar, amassar, dobrar, fazer tomar a forma que desejamos. Mero egoísmo! Por que as pessoas tem que ser exatamente como eu quero? Cada uma teve sua vida, seu gostos e desgostos, suas experiências boas ou ruins, seus desejos, seus anseios.

Alguma coisa é bom mudar, mas o caráter, este sim é firme como rocha inabalável. O demais... Este muda! Basta querer.

Aí que está! O que é o querer? As pessoas realmente querem, desejam, anseiam serem modificadas pelo meio, pelos amigos, pelos seus relacionamentos? Há de se convir que sim, pois é real necessidade do ser humano se colocar em meios sociais. E de ser semelhante àquele a qual chama de “próximo”. Mas alguns desejos não podem ser mudados. Estes podem entrar no patamar de caráter, como já relacionei. Ou então, são anseios que ainda não estão na hora de serem mudados, pois precisam de um tempo, de um porquê para serem mudados, da hora exata, do momento crucial.

Nem sei por que escrevo tudo isto. Talvez porque escrever me descarrega a ansiedade do coração. Talvez porque me tire a frustração, esconda meus medos e vergonhas. Ou seja um desabafo comigo mesmo. Uma vontade de colocar sentimentos em palavras, algo realmente impossível, mas é o que motiva os poetas, os compositores, os escritores e os loucos que amam escrever sem sentido e sem razão como eu.

Não conseguimos viver em nosso próprio mundo, no nosso eu particular. Precisamos de algo mais, como se uma parte do próprio eu faltasse, e esta tivesse que ser completada pela outra parte do seu eu, que se encontra em cada pessoa que passa pela nossa vida. Cada uma completa um pouquinho do seu eu. E passamos a vida buscando mais um pedacinho de nós mesmos em outras pessoas.

Acho que é por isto que apareceu algo louco chamado paixão. É quando você encontra uma grande parte do “eu” perdido em outra pessoa. Esta pessoa te oferece o teu eu, aquilo que você precisava, que você sempre buscava, mas que parece que, até este dia, estava compartimentalizado. No entanto, você descobre que está aí. Na tua cara, na tua frente, na tua vida. O teu outro eu, a tua parte que faltava, mas que ainda não te completa, porque a cada novo dia, uma nova parte de ti é completada, como um quebra-cabeça, com novas e diferentes peças a cada dia.

Para quem escrevo isto? Para meus amigos? Para meus parentes? Para meus amores? Para mim mesmo? Para meu terapeuta? Para um apreciador de palavras jogadas em frases desconexas? Não sei. Mas para qualquer pessoa. Sim, as pessoas. Aqui estão elas de novo! Sempre prestes a julgar, a tirar idéias de tudo, a montar conceitos e pré-conceitos.

Pessoas com palavras, com caráter, com idéias, com suas paixões, com o seu eu em formação. Pessoas! E caminhos, caminhos desencontrados, duplos, intercalados, paralelos, de mão única, na contramão, perpendiculares. Caminhos!

Pessoas em seus diferentes caminhos. São a alma do que escrevo.

Pessoas com suas várias formas de “eu”. Caminhos com suas várias formas de pessoas. Almas com suas diferentes formas de pessoas e caminhos. E o eu! Nada mais.

Jamil Júnior – Florianópolis, 07 de novembro de 2009.